MACP APRESENTA:

“O artista não tem outro dever senão

 o de satisfazer ou exprimir seu próprio sentir, 

mas isso não teria qualquer interesse se fosse o sentir comum.”

G. C. Argan

 

     A série Aquarelotes de Robnei Bonifácio faz parte do seu Projeto Nossa Victoire executada entre 2015-18 no bairro de Boa Esperança, em Nova Iguaçu, Baixada Fluminense, lugar de memória para o artista que costumava em sua infância visitar o local, mais especificamente a “montanha da Jaqueira” (área de lazer do bairro). Ao retornar, depois de alguns anos, vê um espaço modificado e degradado, visceralmente desconstruindo a imagem idílica que tinha do lugar, agora reestruturado para abrigar um condomínio fechado que, como tantas outras obras pelo Brasil, sem planejamento adequado, não foi concluída, e a área devastada finda por provocar deslizamentos de terra que atingem moradias, provocam alagamentos e lamaçal, isso apenas para listar as consequências imediatas, sem projetar os prejuízos futuros, financeiros e de saúde, daqueles que sonham em receber suas casas próprias.

 

     E da lama surge a matéria que se vislumbra nas aquarelas de Robnei. Em busca do resgate de suas lembranças, em um processo autorreferente de fatura de seus trabalhos, o artista interage com os moradores de Boa Esperança coletando depoimentos sobre essa transformação ocorrida no bairro. Como fruto dessa troca presenteia cada um dos entrevistados com uma aquarela que, significativamente, nomeia de “Aquarelotes”, um neologismo que junta aquarela+lote, como se cada um dos participantes adquirisse seu lote de terra, simbolicamente, uma vez que a lama (mistura viscosa da argila que vem da montanha e água da chuva) é sua tinta, é como fixa o olhar do passado pelas veias do presente, do que está à sua frente quando se senta pelo chão, pela calçada, e esboça os sinais da brutalidade descabida do homem sobre a natureza, sobre si mesmo. Gesto imponderável que tem eco na pintura en plein air, não com as mesmas aspirações modernistas, mas com o alcance de uma denúncia pulsante que não mais se circunscreve àqueles que são afetados diretamente, vai além com uma proposição de analisar e interpretar pelo viés do olhar memorial do outro. Dessa sinestesia a cada fala uma nova imagem surge. O artista cumpre um dos mandamentos mais imperativos de Argan: o dever de ser uma exceção. Dar-se-á por satisfeito algum dia? Certamente que não.

 

     Em séries anteriores entendemos como lhe são caros os percursos da sua vida, seus encontros, suas leituras ao acaso de cartazes, propagandas, folhetos, uma pluralidade de imagens e palavras que se misturam em suas criações, pinturas, desenhos, fotografias, o que for preciso, sem convenções, para formalizar sua investigação, rejeitando rótulos e configurações, abrindo possibilidades cada vez mais experimentais, empurrando fronteiras, ou pelo menos tornando-as mais flexíveis num embate cujo caráter norteador está em evidenciar as ambivalências da sociedade em que vive. Os painéis publicitários que perpassam seu trajeto diário dão a medida de como se acumulam e saturam o nosso cotidiano “complexos contextos visuais e culturais”, assim entendidos pelo artista. Seu diário visual é então a paleta da vida que seleciona e transporta para os seus trabalhos saturados de cor, de camadas e acúmulos de memória.

 

     As consciências de mundo, de civilidade, de solidariedade estão alertas nas antenas de Robnei. Por trás de seus óculos ele capta instantes, histórias que lhe revolvem a imaginação e lhe possibilitam reinventar as relações humanas. Guarda consigo grandes tesouros apenas na eventualidade de uma nova amizade não importando a distância, posto que justamente o percurso, o contato é lhe trazem a grandeza de valor. Pelo que recebe de cada um com os quais trava seu diálogo de afeto, claramente podemos perceber que essa é a questão central em sua produção: alteridade e ternura para além do senso comum.

 

Osvaldo Carvalho

"AQUARELOTES"

ROBNEI BONIFÁCIO

Aquarelote 01 -  22 x 25,5 cm.jpg

Aquarelotes, (Nossa Victoire) 2015 – 2017

1 da série de 170 aquarelas com pigmentos naturais 22 x 25,5 cm

Aquarelote 06 - 24 x 16 cm.jpg

Aquarelotes, (Nossa Victoire) 2015 – 2017

6 da série de 170 aquarelas com pigmentos naturais 24 x 16 cm

Aquarelote 18 - 32 x 24 cm.jpg

Aquarelotes, (Nossa Victoire) 2015 – 2017

18 da série de 170 aquarelas com pigmentos naturais 32 x 24 cm

Aquarelote 20 - 30,5 x 22 cm.jpg

Aquarelotes, (Nossa Victoire) 2015 – 2017

20 da série de 170 aquarelas com pigmentos naturais 30,5 x 22 cm

Aquarelote 21 - 32 x 24 cm.jpg

Aquarelotes, (Nossa Victoire) 2015 – 2017

21 da série de 170 aquarelas com pigmentos naturais 32 x 24 cm

Aquarelote 28 - 32 x 24 cm.jpg

Aquarelotes, (Nossa Victoire) 2015 – 2017

28 da série de 170 aquarelas com pigmentos naturais 32 x 24 cm

Aquarelote 30 - 32 x 24 cm.jpg

Aquarelotes, (Nossa Victoire) 2015 – 2017

30 da série de 170 aquarelas com pigmentos naturais 32 x 24 cm

Aquarelote 31 - 32 x 24 cm.jpg

Aquarelotes, (Nossa Victoire) 2015 – 2017

31 da série de 170 aquarelas com pigmentos naturais 32 x 24 cm

Aquarelote 35 - 32 x 24 cm.jpg

Aquarelotes, (Nossa Victoire) 2015 – 2017

35 da série de 170 aquarelas com pigmentos naturais 32 x 24 cm

Aquarelote 39 - 29,5 x 21 cm.jpg

Aquarelotes, (Nossa Victoire) 2015 – 2017

39 da série de 170 aquarelas com pigmentos naturais 29,5 x 21 cm